sábado, 25 de abril de 2009

Porque 25 de Abril, quer dizer...


(Imagem: Freedom, daqui)

A Cor da Liberdade

Não hei-de morrer sem saber

qual a cor da liberdade.

Eu não posso senão ser

desta terra em que nasci.

Embora o mundo pertença

e sempre a verdade vença,

qual será ser livre aqui,

não hei-de morrer sem saber.

Trocaram tudo em maldade,

É quase um crime viver.

Mas, embora escondam tudo

E me queiram cego e mudo,

não hei-de morrer sem saber

qual a cor da liberdade.


Jorge de Sena

4 comentários:

Sofia Loureiro dos Santos disse...

Donagata, ia postar exactamente esse poema de Jorge de Sena! Já estamos muito à frente no que diz respeito a poderes extrasensoriais!

Donagata disse...

Se for preciso, até já damos cursos.

Beijos.

pin gente disse...

gostei bastante... a liberdade tem que ser multicolor.
abraço

Donagata disse...

Ou não fosse de Jorge de Sena...