sábado, 25 de abril de 2015

Afinal


As minhas glicínias em Abril

E, mais uma vez, chegou Abril e
o cheiro das cores frescas
acabadas de nascer e
o viço de asas macias que
esvoaçam e me desarrumam
as memórias e os silêncios.
Cresce a estridência das flores que
espreitam mansinho das árvores com
brilhos de água fresca e que
eu quase não vejo de serem tantas.
Ah!
E as gaivotas.
Tantas as gaivotas.
De mais as gaivotas.
Já não trazem tanto mar no coração e
o vento nas asas endureceu e
agora comem as pombas nos Aliados…
Mas é Abril
inevitavelmente Abril
e também inevitavelmente
a saudade escorrega devagar
pela lembrança de outros dias, de
outras gaivotas de esperança, de
cravos com muita gente
a dizer vontades, de
olhos rasos de brilho de
nós a sermos nós
livres
felizes para sempre.

Afinal é só Abril que
mais uma vez

chega.