sexta-feira, 26 de junho de 2015

Devaneio

Rosa do meu jardim


Sentada no jardim,
rodeada de luz
e de uma largura imensa de tarde de verão,
descanso no devaneio.

Sob as saias brancas da audácia
finjo percursos
e ouso provar o interior da luz.
Abafo os uivos das palavras
que chocam nos dentes
e envolvo-as na ternura tépida da saliva.

Vou criando ecos
que calam o aperto cinzento e amargo
que se arredonda no peito
e emudece a alegria.

Mordem-me as ausências.
Mesmo as que se escondem sob a gentileza das pedras,
sob a ilusão do ainda estar,
do ainda ser…

Tento limpar o sal do dia
que se acumula no rosto claro da tarde e sobra
na lágrima que se desprende do olhar.

Na diáspora das palavras
busco afectos errantes,
noites passadas,
infâncias esquecidas.

E golpeiam-me as palavras
na cadência do sangue.

Crescem as infâncias,
seguro as noites passadas,
tento assear a alegria
e agarro os afectos pela esquina do sopro.

Embrulho-me no devaneio
e, obstinadamente,
quedo-me a ouvir o eco
de todas as palavras nunca ditas.



domingo, 7 de junho de 2015

Carta a um amigo

Imagem retirada da capa do livro "Nas Ruelas da Má Fama" de de Américo Dias 


Soube agora que partiste.
Estou incrédula e vencida pela notícia.
Afinal ainda há pouco, muito pouco mesmo,
éramos tão eternos!
Lembras-te?
Éramos eternos quando nos sentávamos
em redor de um café e conversávamos.
Conversas tão intermináveis! Tão loucas!
Tínhamos tanto a dizer.
Sabíamos tantas coisas.
E, contudo, sei-o agora,
faltava-nos saber tanto…

Éramos eternos quando
buscávamos felicidades.  
E combateste vontades duras.
E conseguiste.
E foste feliz.

Éramos tão eternos
nos longos dias de Verão
quando sob o sol do teu Algarve
buscámos o calor, a aventura, a cor, o brilho, o viço,
a vida…
Lembras-te?

Éramos ainda eternos
quando nasceram os nossos filhos,
quando os contemplávamos embevecidos
numa ânsia de água fresca,
quando os eternizavas em imagens que são abraços
 quando, ainda em longas conversas,
exorcizávamos os medos,
partilhávamos os sonhos,
os grandes pequenos nadas,
as nossas eternidades.

Fomos mesmo eternos
quando tivemos que puxar com força as pontas à vida.

Ficou tanto por dizer.
Ficou tanto por viver.
E, afinal, tu és mesmo eterno…


06-06-2014