sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Carta à mãe

mamã (3/4 anos)
Às vezes
apetece-me tocar o sol com a ponta dos dedos.
Sentir a respiração doce da luz
e colocá-la a distância nenhuma dos sonhos.
Às vezes, tantas vezes,
apetece-me abraçar com força
a inconstância das nuvens
e colocá-las docemente nas margens da vida.
Às vezes, muitas vezes,
apetece-me parar
à distância do voo das aves
e prender bem forte o arquejo da vontade.
Às vezes, quase sempre,
apetece-me soprar o pó das lembranças,
deitar ainda a cabeça no teu colo
e esquecer o restolho dos dias.

Celeste Pereira



2015-08-06

terça-feira, 4 de agosto de 2015

"The tree Of Life" de Gustav Klimt


Mergulho cada vez mais nas minhas memórias.
Deslizo o olhar para dentro e passeio
por entre as cornucópias das lembranças boas.

Espessam-se os ocres
que me olham num través sedutor.

Na lonjura dos sonhos vividos
enrolo-me em afagos mornos,
agasalho-me com sorrisos lentos
perdidos na topografia esquiva da alma


e escuto a respiração tépida das flores.

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Devaneio

Rosa do meu jardim


Sentada no jardim,
rodeada de luz
e de uma largura imensa de tarde de verão,
descanso no devaneio.

Sob as saias brancas da audácia
finjo percursos
e ouso provar o interior da luz.
Abafo os uivos das palavras
que chocam nos dentes
e envolvo-as na ternura tépida da saliva.

Vou criando ecos
que calam o aperto cinzento e amargo
que se arredonda no peito
e emudece a alegria.

Mordem-me as ausências.
Mesmo as que se escondem sob a gentileza das pedras,
sob a ilusão do ainda estar,
do ainda ser…

Tento limpar o sal do dia
que se acumula no rosto claro da tarde e sobra
na lágrima que se desprende do olhar.

Na diáspora das palavras
busco afectos errantes,
noites passadas,
infâncias esquecidas.

E golpeiam-me as palavras
na cadência do sangue.

Crescem as infâncias,
seguro as noites passadas,
tento assear a alegria
e agarro os afectos pela esquina do sopro.

Embrulho-me no devaneio
e, obstinadamente,
quedo-me a ouvir o eco
de todas as palavras nunca ditas.



domingo, 7 de junho de 2015

Carta a um amigo

Imagem retirada da capa do livro "Nas Ruelas da Má Fama" de de Américo Dias 


Soube agora que partiste.
Estou incrédula e vencida pela notícia.
Afinal ainda há pouco, muito pouco mesmo,
éramos tão eternos!
Lembras-te?
Éramos eternos quando nos sentávamos
em redor de um café e conversávamos.
Conversas tão intermináveis! Tão loucas!
Tínhamos tanto a dizer.
Sabíamos tantas coisas.
E, contudo, sei-o agora,
faltava-nos saber tanto…

Éramos eternos quando
buscávamos felicidades.  
E combateste vontades duras.
E conseguiste.
E foste feliz.

Éramos tão eternos
nos longos dias de Verão
quando sob o sol do teu Algarve
buscámos o calor, a aventura, a cor, o brilho, o viço,
a vida…
Lembras-te?

Éramos ainda eternos
quando nasceram os nossos filhos,
quando os contemplávamos embevecidos
numa ânsia de água fresca,
quando os eternizavas em imagens que são abraços
 quando, ainda em longas conversas,
exorcizávamos os medos,
partilhávamos os sonhos,
os grandes pequenos nadas,
as nossas eternidades.

Fomos mesmo eternos
quando tivemos que puxar com força as pontas à vida.

Ficou tanto por dizer.
Ficou tanto por viver.
E, afinal, tu és mesmo eterno…


06-06-2014

sábado, 25 de abril de 2015

Afinal


As minhas glicínias em Abril

E, mais uma vez, chegou Abril e
o cheiro das cores frescas
acabadas de nascer e
o viço de asas macias que
esvoaçam e me desarrumam
as memórias e os silêncios.
Cresce a estridência das flores que
espreitam mansinho das árvores com
brilhos de água fresca e que
eu quase não vejo de serem tantas.
Ah!
E as gaivotas.
Tantas as gaivotas.
De mais as gaivotas.
Já não trazem tanto mar no coração e
o vento nas asas endureceu e
agora comem as pombas nos Aliados…
Mas é Abril
inevitavelmente Abril
e também inevitavelmente
a saudade escorrega devagar
pela lembrança de outros dias, de
outras gaivotas de esperança, de
cravos com muita gente
a dizer vontades, de
olhos rasos de brilho de
nós a sermos nós
livres
felizes para sempre.

Afinal é só Abril que
mais uma vez

chega.

quarta-feira, 25 de março de 2015

Envelheço com as horas


Em dias assim
em que não sei o que te dizer,
estendo as mãos.
E no vento que delas se desprende
procuro palavras em estado translúcido.
Mergulho em rios que não são rios
e busco intensamente metáforas
que também não são metáforas…
procuro nas raízes das pedras uma silhueta,
uma penumbra,
o brilho de uma cor com que esboce a palavra
que não será palavra…
De olhos fechados mudo a direcção do silêncio.
Procuro ouvir para lá das vozes
que acordam o fundo das páginas.
Agito as mãos.
Acordo o gato

e envelheço com as horas.