segunda-feira, 31 de janeiro de 2011


A Poetria continua a surpreender, iniciando o novo ano com um novo ciclo de sessões de poesia num novo espaço portuense que, só por si, é um poema: "No feminino com", na Pç. Carlos Alberto, nº 89 - Porto.

Natália Correia, que cantou "o amor, a liberdade, o riso, a luz, a exactidão das rosas e todas as coisas radiantes...". será convocada para "esconjurar a torpeza" que ensombra os dias e ameaça "fechar as portas da História" e do nosso futuro.

E porque "a poesia é para comer", será servido um jantar poético criado pelos talentosos chefes de cozinha do "No feminino...":
Um festim de sonho, seguido da leitura de poemas que são como "pérolas gotejando dos olhos dos amantes", é tudo o que se deseja para uma noite mágica, a roçar a perfeição.

Programa:
"No Feminino com Poesia"
Data e local: 3 de Fevereiro 2011. No feminino com, Pç. Carlos Alberto, 89 - Porto:

20h - Jantar poético. Menu:
Entradas de prazer;
Porco ibérico com suspiros de mel e pimentão à Luiz de Camões;
Sobremesa - Deleite de chocolate pessoano com gelado de baunilha contemporâneo.
Preço: 15,00 €

22h - "A poesia é para comer" - leitura de poemas de Natália Correia com apresentação da vida e obra da autora, por: Celeste Pereira, Ana Afonso e Ana Catarina Marques;
- audição do poema "A defesa do poeta" pela voz de Natália Correia e projecção de imagens.

Aconselha-se e aceitam-se desde já reservas de mesa ou de lugar. Contacto: 968707303


E agora já deu para perceber o post anterior? É para aguçar o apetite. Bom, não teremos a voz da diva, mas faremos o nosso melhor para colmatar essa falta.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Último Acto em Lisboa” de Robert Wilson

Há já alguns anos que li “O Cego de Sevilha”, do mesmo autor o qual me deixou uma excelente impressão. Sou apreciadora de romance policial mas não suporto o mesmo mal escrito e descuidado por muito interessante que possa ser o enredo.

Pois não é o caso deste.

Mais do que um policial com um enredo muito trabalhado e cuidado, é também uma lição de História contada de modo ligeiro mas preciso.

O livro está escrito a dois tempos que desenvolvem acções aparentemente isoladas uma da outra.

Uma inicia-se em 1940, ainda em Berlim, onde se prepara uma forma de explorar o volfrâmio português, das Beiras, uma vez que estando iminente um ataque à Rússia, até ali a principal fornecedora do precioso metal, era necessário encontrar alternativas.

A outra inicia-se com o aparecimento do corpo de uma adolescente, Catarina Oliveira, numa praia, nos anos de 199… É o início de uma investigação que é entregue a Zé Coelho inspector da Judiciária.

De início ambas as histórias se vão desenrolando sem se perceber de que modo se irão entrosar.

À medida que se vai evoluindo na leitura vamos, surpreendentemente, talvez, atendendo a que estamos a ler um livro policial, tendo uma noção de como os alemães se apoderaram de uma parte significativa da exploração do nosso volfrâmio, de como Salazar “geriu” as relações internacionais durante este período da 2ª Guerra, da vinda de ouro alemão para Portugal, proveniente do saque aos judeus, dos métodos da PIDE, de Caxias, enfim, um longo périplo por um período histórico rico em perversão.

Por outro lado vamos acompanhando as diligências do inspector Coelho tentando destrinçar uma trama que se vai adensando cada vez mais até que, inexplicavelmente, lhe são levantadas barreiras a ele próprio.

Bem, não vou contar o livro, claro. É interessante é lê-lo.

Apenas remato dizendo que está escrito com perícia e literariamente muito cuidado. É de mestre a forma como, apenas no fim, se encaixam todas as personagens (e são muitas) e todas as situações como se de um puzzle de muitas peças se tratasse.

A ler, sem dúvida estas 522 páginas empolgantes.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Pesadelo

"Metais" de Nadir Afonso

De pés bem assentes no lajedo de granito abraço o frio que galga em ondas que se fundem com o outro, o gelo que é meu, que uso escondido sob finas aparências de sorrisos quentes.

Fecho os olhos mas invadem-me mesmo assim imagens absurdas de uma concha granítica retocada de cores em tons pastel com pitadas de dourado, monstruosas velas de imitação, um esquife, flores… e eu.

Procuro alhear-me. Porém, as notas dissonantes de vozes femininas que chocam contra os granitos, os tons pastel, o ouro, as velas de imitação, o esquife, eu… e se elevam em cânticos estranhos que mais parecem vagidos de recém-nascidos, assombram-me. Assustam-me.

E os cheiros, velhos, rançosos, invadem-me o nariz e prendem-se à garganta estendendo gavinhas que me avassalam, me agoniam, me sufocam.

Agonizo lentamente na angústia, no assombro, no absurdo do que não vejo, não ouço, não sinto e não cheiro até ser surpreendida por uma ilusão de calor e humidade numa mão. Sonho, é certo.

Bem devagar abro os olhos e olho. Um pequeno cão, velho como tudo à sua volta, sem tons pastel nem dourados, nem velas falsas, pousado também no granito, lambe-me os dedos e fita-me com os seus olhos velhos.

Ficámos assim. Acordámos ambos do nosso pesadelo.

domingo, 16 de janeiro de 2011

“Quando tudo se desmorona” de Chinua Achebe

Mais um livro dos que pertenciam à lista dos recomendados por Valter Hugo Mãe e, mais uma vez, uma boa aposta de leitura.

Por isso presumo que, mesmo não tendo oportunidade de assistir às sessões do clube de leitores, irei fazer por ir lendo os livros recomendados para essas sessões.

Este, um livro escrito já em 1958, trata-se de um romance interessante mas é, sobretudo, um documento histórico e sociológico de indubitável valor.

Passado numa aldeia do povo Ibo, na Nigéria, nos finais do século XIX, inícios do XX, tem como protagonista Okonkwo um bravo guerreiro, próspero, aspirante a títulos de bravura, orgulhoso de si, da sua família, dos seus feitos, mas também do seu clã e do seu povo.

Este povo aguerrido, fiel aos seus costumes, respeitador dos seus deuses, dos seus antepassados, dos seus mitos, vivia uma vida apelidada de primitiva pelos colonos ingleses que surgiram para os evangelizar.

Contudo, este conjunto de clãs, organizados em aldeias hierarquizadas, evidenciava à época uma evoluidíssima organização social.

Com a chegada dos missionários deu-se início a uma mudança com a qual seria suposto acabar com os costumes “bárbaros”, alheios à vontade de Deus, mas deu-se início também (sobretudo) a uma época de torturas cujas razões estes povos não entendiam nem nunca haviam conhecido.

Com esta “pacificação”, tudo se desmoronou….

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

As palavras não matam


As palavras não matam!

As palavras…

não matam?…

Não!

As palavras matam!

Matam a saudade quando demoradas.

Aquietam o anseio quando sussurradas,

Aniquilam silêncios cúmplices quando vãs.

Destroem amizades quando levianas.

Apagam o amor quando inflamadas.

Sim!

Há palavras que matam!

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

“A Espuma dos Dias” de Boris Vian

Li ontem um dos livros que me provocou um maior leque de emoções num tão curto espaço de tempo de leitura.

Quando o comecei, estranhei-o.

Fui confrontada com uma escrita inteiramente metafórica, rica em non-sense, em ironia, em crítica cáustica, em sarcasmo mas também eivada de um humor ingénuo que, no meu ponto de vista, apesar do dramatismo da história, ajuda a dar corpo ao romance.

Aqui, a ordem do universo era inteiramente diferente. Imperavam as leis da causalidade. Seres vivos e seres inanimados interagiam. Os objectos reagiam aos estados de ânimo dos personagens. Para mim, leitora, eram o melhor barómetro do drama que se ia desenrolando… Um mundo encantado e de encantos.

Como disse, estranhei-o. Depois, como profere essa velha frase mais do que batida, entranhou-se. E fê-lo de tal forma que não o consegui largar antes de lhe ler o fim.

Um livro belíssimo.De leitura ligeira, leve como uma melodia simples. Uma das mais belas histórias de amor que li.

Será que existe amor em excesso?

Será que nos converte em espuma de nós?

Tive a sorte, julgo eu, de o ler numa tradução muito cuidada, cheia de notas de rodapé, que nos permite não perder a riqueza dos trocadilhos de linguagem a que o autor faz constante recurso.

Foi um presente de Natal e, seguramente, um daqueles que nunca esquecerei.

A ler.

domingo, 9 de janeiro de 2011

“A Tia Júlia e o Escrevedor” de Mário Vargas LLosa

Penso que o livro é autobiográfico na sua linha principal de enredo. Varguitas umas vezes, Marito, outras, será Mário Vargas Llosa, estudante e já escrevedor. A tia Júlia será (?) a sua primeira mulher Júlia Llanes.

Mas, quer seja quer não, trata-se de uma belíssima história de amor entre um jovem estudante, sem uma vida ainda definida e uma mulher madura, divorciada e sua tia, se bem que apenas por afinidade. Desta espera-se o bom senso de arranjar um novo marido conveniente…

Contudo as coisas não correm bem assim e vai-se desenrolando um difícil romance entre os dois. Porém, à medida que vamos acompanhando o alvor desses amores, vamos sendo confrontados com capítulos de histórias que vão cruzando esta e que não parecem ter a ver com nada.

Vem-se a entender que, esses capítulos, com esses personagens aparentemente outsiders, são capítulos das várias rádio novelas que um dos personagens tão bem escreve.

À medida que se vão adensando os amores de Varguitas e Julita, vão-se também enredando as outras histórias tornando-se a dada altura tão misturadas e tão complexas que é já muito difícil saber quem é quem, mesmo para o autor…

O romance segue o seu curso e as novelas têm todas desfechos fenomenais de tão rocambolescos.

Esta forma de organizar a prosa associada a uma linguagem colorida se bem que simples torna o livro extremamente apelativo.

A ler.