sábado, 3 de maio de 2008

"Um Deus passeando pela brisa da tarde" de Mário de Carvalho

Há já algum tempo que vinha a procurar este livro pois me haviam sido feitas referências muito favoráveis a seu respeito. Finalmente lá consegui que mo encomendassem para a editora e terminei ontem a sua leitura.

Devo dizer que valeu a pena o empenho.

Trata-se de um livro em que a acção decorre em Tarcisis, uma cidade que, segundo o autor, nunca existiu e, como tal não é um romance histórico.

Tarcisis, ou mais propriamente o município de Fortunata Ara Tulia Tarcisis, situar-se-ia no sul da Hispânia, região da Lusitânia no século III dC, época em que o Império romano era governado pelo Imperador Marco Aurélio o Imperador filósofo.

Lúcio Valério Quíncio, único duúnviro e portanto magistrado supremo da cidade, vê-se a braços com os vários problemas que a assolam. Desde a ameaça de invasão pelos “bárbaros” do sul, ao aparecimento de uma estranha seita, os cristãos, que assustam e perturbam os cidadãos, à proliferação de intrigas, à inveja ditada pela ambição, tudo tem de enfrentar só.

Sem abdicar da prática do estoicismo (o completo domínio de si, o procurar atingir um estado de imperturbabilidade e o evitar a dor tudo para ganhar a tranquilidade da alma e a liberdade, características do sábio), filosofia com que Lúcio aparenta simpatizar, deixa para segundo plano o “sentir o povo”.

A tudo isto junta-se um amor que vai sentindo cada vez maior por Iunia Cantamber, uma patrícia convertida ao cristianismo.

O romance desenvolve-se num clima de decadência e desencanto que culmina com o seu exílio e retrata com uma mestria inusitada o contexto histórico da época.

É um verdadeiro tratado de cultura clássica.

Sem comentários: