segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

A Whiter Shade of Pale dos Procol Harum



É mesmo bom recordar, embora por vezes se possa tornar um pouco nostálgico. Mas é bom, mesmo assim, voltar a sentir aquele friozinho no estômago, aquele brilhozinho nos olhos, o prazer dos bailes de garagem, os primeiros amores, a saudade. Enfim, recordar o que deixámos para trás que nos soube bem. Significa que a nossa vida não foi vazia de emoções...

A letra essa, como diz um amigo meu, não é lá muito perceptível! Mas quem é que queria saber da letra?

A Whiter shade of pale Procol Harum


We skipped a light fandango,
Turned cartwheels 'cross the floor.
I was feeling kind of seasick,
But the crowd called out for more.
The room was humming harder,
As the ceiling flew away.
When we called out for another drink,
The waiter brought a tray.

And so it was that later,
As the miller told his tale,
That her face at first just ghostly,
Turned a whiter shade of pale.

She said there is no reason,
And the truth is plain to see
That I wandered through my playing cards,
And would not let her be
One of sixteen vestal virgins
Who were leaving for the coast.
And although my eyes were open,
They might just as well have been closed.

And so it was later,
As the miller told his tale,
That her face at first just ghostly,
Turned a whiter shade of pale.


2 comentários:

A.Teixeira disse...

Realmente, tentar decifrar se a letra desta música tinha algum significado só mesmo desse teu amigo...

Donagata disse...

Pois, porque, embora indecifrável no seu sentido, o que nós queríamos era dançar um slow, bem coladinhos ao borrachinho mais giro lá do sítio, no máximo dos enlevos e a letra era uma coisa absolutamente secundária. Ou até nem isso...
Digo-to eu que estive lá e vi...