sábado, 24 de janeiro de 2009

"A Cidade dos Prodígios " de Eduardo Mendoza


Neste livro, o autor, Eduardo Mendoza (que eu não conhecia), consegue, através do seu personagem principal, Onofre Bouvila, dar-nos uma perspectiva da evolução da cidade de Barcelona até meados do século XX; o que de bom e o que de mau lá aconteceu.

Onofre que chega a Barcelona nos finais do século XIX, pouco mais do que uma criança, rapidamente se envolve em estratagemas diversos. As suas acções decorrem, sobretudo, no submundo barcelonês consistindo em expedientes menos correctos: enganos, roubos, tráficos diversos…. Rapidamente enriquece e ascende à categoria de uma das pessoas mais importantes de Barcelona, se não a mais importante. Contudo, apesar desta sua preponderância (meramente económica), nunca é completamente aceite pela nobreza da cidade (que não deixa, porém de se conluiar com ele quando necessário), sendo alvo até de algumas desconsiderações.

Vingativo, inteligente, amoral, acaba por se desforrar sempre e sair vencedor inequívoco das contendas que muitas vezes são por ele mesmo engendradas.

A cidade vai evoluindo um pouco da mesma forma que Onofre. Atravessa vários períodos, uns mais florescentes do que outros. O livro tem a particularidade interessante de começar aquando da Primeira Exposição Universal, realizada em Barcelona onde são visíveis as corrupções e os esquemas diversos dos políticos para a sua execução ali e não em qualquer outro local em Espanha procurando dar visibilidade a Barcelona. E termina, com a Segunda Exposição Universal, também em Barcelona, fruto de artimanhas do governo central e dos brios do regional, onde Onofre faz a sua última e imponente aparição.

Livro agradável. Lê-se com interesse. Deu origem a um filme homónimo do realizador Mário Camus

2 comentários:

Pulsante disse...

Li-o já há uns anitos. Também gostei muito e correspondeu a uma fase em que me deslocava bastantes vezes a Barcelona, facto que me ajudou ainda gostar mais...da cidade e do livro.

Dona Gata disse...

Pois. Deve ser interessante estabelecer esse tipo de comparações...
Para mim não foi possível pois conheço Barcelona apenas de passagem.