quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

Um de Janeiro de 2009




Estão a ver estes? Não têm nada a ver. O meu é muito mais bonito!

Um de Janeiro de 2009.

Acordo com a sensação estranha de que nem sequer tinha dormido. A cabeça ameaça estalar, os braços, mãos, pernas e restantes apêndices anatómicos parecem ter sido apanhados pela roda de um camião TIR.

Tento falar e, oh maravilha das maravilhas, parecia o Olavo Bilac mas num patamar muito mais sofisticado. Soltava uns sons roucos, imperceptíveis e ridículos que, embora fizessem as delícias de quem ouvia, se tornava uma actividade deveras penosa.

Decidi ficar um pouco na cama a ler enquanto o meu Gatão me arranjava um pequeno-almoço à maneira, para ver se me fazia sentir melhor. Mas as letras do livro (já de si leitura de longa duração) estavam hoje particularmente inquietas e, raramente, acertava com a linha a ler a seguir; ou repetia a que tinha lido com uma semiconsciente sensação de déjà-vu, ou passava duas ou três à frente passando do estado de “dificuldade em entender” ao de “não perceber absolutamente nada” (diga-se, em meu favor, que estou a ler António Lobo Antunes….).

Desisti, claro, logo que chegou o pequeno-almoço: Kiwi e a tradicional rabanada (para mim) do Dia de Ano Novo com o café.

Mas este ano o meu pequeno-almoço tinha algo mais. Com o resto, vinha um pequeno embrulho, muito bonito, de laço prateado que eu, apesar de estar com as minhas faculdades depauperadas, percebi imediatamente que não fazia parte do menu.

Quando o consegui abrir (com a paciência que me é habitual, rasgando, puxando, cortando…) ficou à vista um lindíssimo anel.

A minha surpresa não podia ter sido maior! Em primeiro lugar não são habituais presentes de ano novo (embora tenha já acontecido) depois, trata-se de um belíssimo anel que eu nunca teria comprado. Vem, talvez, na tentativa de ajudar a repor aqueles que me levaram. É que os anéis foram todos! Mas, apesar de poder atribuir muitas justificações ao acontecimento, a única, a verdadeira é que o meu marido me quis ver feliz.

Bem, como podem ver um início de ano que dá para tudo. Comecei doente. Continuo doente. Passei o dia a aspirinas, líquidos, molhos de lenços à minha volta, a cabeça exageradamente recheada, tenho a sensação estranha que o conteúdo não cabe bem na caixa craniana (se calhar em vez de um neurónio sempre tenho dois….) e um lindo anel de brilhantes claros/escuros, com um design espectacular no anelar da mão direita.

Eu, como sou positiva, digo-vos já que considero um excelente presságio (embora não acredite lá muito em presságios). Ou seja: aconteça lá o que acontecer de mau durante o ano que iniciámos, será sempre temperado por algo muito melhor!

Espero, sinceramente, que seja assim para mim bem como para todos vós.


Nota: Nem imaginam o tempo que levei a escrever este texto de fino recorte literário. É que hoje, as teclas do meu portátil estão, tal como as letras do livro, algo irrequietas e têm vontade própria.

Desculpem, portanto, alguma coisita menos bem. Nem é costume…

4 comentários:

Anónimo disse...

Ola Sra Donagata :)
Que Bom , q Excelente forma de iniciar o Ano , a receber prendinhas do seu Marido :) !
Em relaçao à dor de garganta tenho a certeza q logo logo estará Melhor !!!
Mais uma vez Adorei este seu relato , faz-me sorrir Sempre , Obrigado :) !!!

Beijo , Anibal Borges .

Sofia Loureiro dos Santos disse...

Donagata, parabéns pelo presente e pelo Gatão. Enche-te de paciência para o vírus da afonia. Quanto à tua conclusão é de mestre. Esperemos.
Bom ano para todos!

brandão disse...

Olá amiga:
Não imaginas como fiquei feliz ao ler estas teu relato !!!
Como sabes este tipo de surpresas só são possiveis quando se tem maridos especiais como "o teu Zé" e certos amigos confidentes que fazem tudo para que tu te sintas uma mulher "sortuda" mas merecedora do maior carinho!!
Bem Haja mulheres como tu !!!Um BOM ANO!!!!Um BEIJÂO do amigo BRANDÃO

Donagata disse...

Quem tem maridos e amigos destes é porque também deve ter feito algo bom na vida!

Mas foi uma surpresa e tanto. E ainda vou ter umas contitas a ajustar contigo. Não te descaíste nem um bocadinho!

Um beijo muito grande e que tenhas um 2009 à tua medida (e dos teus, claro). Com tudo o que realmente merecem.