terça-feira, 30 de junho de 2009

“Vinte Maneiras Diferentes de Contar a Mesma História” de Maria Isabel Moura


Hoje, enquanto aguardava que chegassem os meus habituais companheiros de almoço e como estava bastante desgostosa e com pouca vontade de explicar os motivos, refugiei-me na leitura de um pequeno livro que comprei por ter ganho o “Prémio Nacional de Conto Manuel da Fonseca”, da autoria de Maria Isabel Moura.

É um livro mesmo pequenino (cerca de 45 páginas) e nem todas escritas, composto por 20 pequenos textos, excepcionalmente bem escritos.

Foi, sem dúvida, uma agradabilíssima surpresa.

Esses textos têm um denominador comum, o tema, que é “afogar gatos na sanita”. Devo dizer que, como tema, foi o pior que poderia ter escolhido para hoje dia em que encontrei morta a minha gata, companheira de dez anos, a Fiona.

Mas voltemos ao livro que é a razão desta minha prosa.

Esses vinte textos, todos contando situações diferentes, com o mesmo denominador, como já referi, compõem um verdadeiro bouquet literário.

É o tipo de escrita que é cuidado, apelativo, elegante indo do timbre poético, suave, encantador até nos abanar com linguagem despudorada, dura e crua sem perder, contudo a poesia.

Uma verdadeira joiazinha perdida, quiçá, aí pelos cantinhos das livrarias.

Procurem-no. É verdadeiramente refrescante.

1 comentário:

redonda disse...

Vou tentar encontrá-lo