terça-feira, 2 de junho de 2009

Querem lá ver que não percebo mesmo!!!


“a senhora não faz a mínima ideia do que é literatura”.

Estava eu, linda gata, posta em sossego a ler os meus mails (e aqui já estou muito à frente da D. Inês…) quando me apercebi que tinha dois comentários em duas recensões de livros que, como certamente já haveis notado, é meu hábito fazer.

Um referia-se ao comentário que tinha feito ao livro que acabara de ler “O Arquipélago da Insónia” de António Lobo Antunes. Consistia este numa comunicação de, no caso de não me opor, o autor (ou o gestor do seu site), gostaria de o publicar lá, numa área que mantém para esse efeito.

O outro dizia respeito a um livro de Walter Hugo Mãe “o nosso reino”, opinião publicada há já algum tempo.

E, vejam só a coincidência! Se o primeiro era, como podeis supor, bastante gratificante tendo-me deixado até um pouco sem jeito, já no segundo, uma senhora de nome Raquel M. começa por me apelidar (em verdade a mim e a outro comentador do post) de “cabeças fechadas”, “preconceituosos”, “negativistas”, “ter palas nos olhos como alguns animais”, assim como de nos acusar de vilipendiar o autor com o epíteto de arrogante. Tudo isto porque, embora eu diga muito bem do livro pois me encheu verdadeiramente as medidas e gosto muito do autor, não achámos lá muito bem que dê um pontapé na gramática (é mesmo isso) e escreva sem a utilização de maiúsculas.

No mesmo comentário pode ler-se ainda, depois de devidamente explicadas as razões que o autor evoca para a adopção desse tipo de escrita (explicações que eu já conhecia e aceito), “se gostam ou não do livro, isso é outra coisa”.

Eu gosto. E muito. Mas este episódio, insignificante só por si, deixou-me a pensar; para esta senhora, o importante não é o livro ter-me agradado e ter feito dele um comentário honesto e elogioso até.

Não, importante mesmo, é depois na caixa de comentários aparecerem duas pessoas que (também de forma honesta e no pleno direito de manifestarem as suas opiniões), implicam com a não utilização de maiúsculas…

Vá-se lá entender porquê, devia estar em dia bom, ainda me dei ao cuidado de explicar que, no que me dizia respeito, nem achava que isto fosse uma estratégia para o autor tentar sobressair uma vez que eu entendo que ele não necessita, de todo, disso. Ele é bom. Contudo, em alguns casos, essas e outras estratégias são utilizadas com esse propósito. Creio que todos nós conhecemos casos desses.

Apesar disso, disse ainda, que sempre que o objecto artístico é literário, tenho esta mania de ver correctamente utilizadas as boas regras da língua.

E agora pasmem! Não é que a senhora, com a recensão do livro, mais os dois comentários que lá estavam meus, descobriu e fez o favor de me informar do seguinte e passo a citar “a senhora não faz a mínima ideia do que é literatura”.

Depois deste inesperado esclarecimento querem ver que não faço mesmo e o livro em causa, além de não cumprir as regras de ortografia no que refere às maiúsculas após sinais de pontuação e em nomes próprios (que provavelmente também não sei o que é), até nem é assim tão bom como eu o acho?

Pena! É que eu até gosto do autor. Mas com toda esta ignorância…

9 comentários:

pin gente disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
pin gente disse...

eheheh
ó donagata... confessa que estavas a falar de mim e não do walter hugo mãe!
eu é que escrevo com minúsculas... antes do ponto, depois do ponto, acordada, quase a adormecer, no blog, quando escrevo endereços de e_mail,...
não é que implique com maiúsculas! adoro as minúsculas...

olha lá... desde quando é que tu desaprendeste tudo o sabias de literatura?

um beijoca
luísa

ps - que raio de palavra me saiu na verificação de palavras... não conheço esta! sturidi???


tive que emendar... e é pior a emenda que o sonteo! "bontswil???"

Donagata disse...

Oh pin! Pois isso é que eu não sei. Eu, se calhar nunca soube. Pelo menos foi essa a informação que tão gentilmente obtive hoje...
Olha, paciência. Anda para aí tanto pessoal a dizer disparates na sua santa ignorância, sou apenas mais uma!

Beijos.

nuvem disse...

Há pessoas que fazem descobertas absolutamente fantásticas, realmente... Que irá ela descobrir a seguir?... Pode ser que ainda entre para a enciclopédia, a par de outros grandes nomes ligados a descobertas importantes, caso considere a enciclopédia à altura da sua pessoa, lá do alto da sua imensa sapiência.

Ele há cada uma, que até parecem duas...

Beijinhos e já sabe, se precisar de uma ajudinha nessa coisa da literatura, eu prontifico-me para dar umas dicas, sou uma pessoa caridosa :) Não fique é triste, não se pode saber tudo...

Donagata disse...

Claro que não. E não fiquei triste. É que eu de facto sou mesmo muito boa é no ponto de cruz!
Ando por aqui a meter foice em seara alheia, depois é o que dá!
Mas eu emendo-me. Não sei quando, mas emendo-me.

Beijos e obrigada pelas dicas que, naturalmente, me serão muito necessárias...

susana disse...

xiiiiii... estou tramada! Acabei de colocar um elogio ao Saramago no meu blog. Acho que vou levar na cara...
assim comássim eu támem cho que não precebe nada de litratura. Afinal, a gente aranja semper uma manobra de comprender o que lê. Mania de impricar.

Donagata disse...

Levar na cara? Mas atão pruquiê? jágora ! eu até qu'inda num li. Mas num se pode ter opiniões? bibádemocracia...

susana disse...

Bem, eu assustei-me com este exemplo... Acho mesmo que vou levar na cara. Um dia entram-me pelo gabinete Adentro e insultam-me!

Donagata disse...

Pois, por aí!!!! Já não digo nada.