domingo, 31 de agosto de 2008

"Eu hei-de amar uma pedra" de António Lobo Antunes


Acabei de o ler hoje. Gostei muito. Romance muito interessante embora de leitura um pouco difícil dado o tipo de escrita, quebrada, típica do autor.

O livro conta-nos uma história de amor, é verdade. Contudo essa história serve apenas de suporte, de fio condutor, para o que é realmente importante nesta obra: as personagens. Estas, quer as que protagonizam a já referida história de amor, quer as que as envolvem, são trabalhadas de forma exímia.

O autor leva-nos, quase sem darmos por isso a acompanhá-las nas suas recordações e a viver com elas as suas tristezas, as suas frustrações, os seus desamores, as suas solidões, a rejeição, o abandono…

Para tal, António Lobo Antunes dividiu o livro em quatro partes fundamentais, cada um com diversos capítulos:

Fotografias

Consultas

Visitas

Narrativas

e é através dessas fotografias, das consultas, de visitas e por fim de narrativas, que nos vão surgindo, inteiras, consistentes e fortes, mas também cruas e tormentosas as personagens.

Apresenta-as, por vezes descontextualizadas, sem que se entenda logo o grau de importância que virão a ter. É, na minha opinião, o caso da personagem feminina que protagoniza a história de fundo.

Sem dúvida um excelente livro.

1 comentário:

BlueVelvet disse...

Espero-te no Bluevelvet, hoje, se puderes.
Beijinhos