sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Poemas de Natal


NATAL À BEIRA-RIO

É o braço do abeto a bater na vidraça?
E o ponteiro pequeno a caminho da meta!
Cala-te, vento velho! É o Natal que passa,
A trazer-me da água a infância ressurrecta.
Da casa onde nasci via-se perto o rio.
Tão novos os meus Pais, tão novos no passado!
E o Menino nascia a bordo de um navio
Que ficava, no cais, à noite iluminado...
Ó noite de Natal, que travo a maresia!
Depois fui não sei quem que se perdeu na terra.
E quanto mais na terra a terra me envolvia
E quanto mais na terra fazia o norte de quem erra.
Vem tu, Poesia, vem, agora conduzir-me
À beira desse cais onde Jesus nascia...
Serei dos que afinal, errando em terra firme,
Precisam de Jesus, de Mar, ou de Poesia?

David Mourão Ferreira

(Imagem "Baby Jesus by Dborah Woodall 2005")

5 comentários:

Anónimo disse...

Ola minha Tao Querida Sra Donagata :)
É Verdade , estamos no Natal :) ...
Estamos na altura em q os Povos se deviam Amar !...
Sabe ...
Este Ano Deus ouviu-me :) , deu-me a Maior Prenda q Algum dia Pedi , Deu-me o meu AMOR LINDO e Terno !!!
Eu Desejo a Todos um Santo e Feliz Natal !!!

Beijo , Anibal Borges .

Anónimo disse...

que forma estruturada e estruturante de comentar....este Anibal é um colosso intelectual!!ou melhor tem dias!a forma como "come" as letras é fantástica.A utilização das maiusculas é incrivel!!!Era sintoma de gaguez,isso antes de inventarem a forma de medir a absorção das cordas vocais,mas pronto fico-me por aqui!!!
Um excelente blog,sem duvida!!!
Gostei muito da alusão ao Manoel de Oliveira .Um colosso do cinema e de longevidade!Com um espirito "vivo" e alerta..
parabéns

Donagata disse...

Prezado "segundo" Anónimo uma vez que o primeiro o não é.
Em primeiro lugar, não posso deixar de agradecer o elogio, atrever-me-ei a dizer, rasgado que faz ao meu blog. Também fiquei satisfeita pela apreciação que fez ao post relativo ao Manoel de Oliveira; demonstra ser uma pessoa informada na área das artes, porque o homem é um colosso, goste-se ou não da sua obra. Eu confesso que não sou grande apreciadora, mas tenho que admirar a importância que ele tem na difusão do cinema português fora do nosso país.

Agora, passo a pedir-lhe encarecidamente para não utilizar este meu espaço,que gostaria de manter aberto, para tecer comentários menos agradáveis e, do meu ponto de vista, incompreensíveis e desnecessários a outros comentadores que por aqui passam (uma vez que não interferem com ninguém). Por favor respeite o espaço que é meu e não faça dele um local de troca de mimos em relação aos quais eu não tenho nada a ver.

Estou certa que vai entender e respeitar.
Obrigada.

antonio - o implume disse...

Que se cale o vento velho e sopre a maresia... é Natal.

Donagata disse...

Inteiramente de acordo, António.