sábado, 13 de dezembro de 2008

"O Despir da Névoa" de José Manuel Mendes


Embora conhecedora do autor na sua faceta de poeta nunca tinha lido um dos seus vários romances.

Aproveitei uma recente reedição do livro “Despir da Névoa” do Círculo de Leitores e li-o com grande curiosidade.

Enfim, devo dizer que esperava um pouco mais. Trata um tema muito comum (um triângulo amoroso) de forma, quanto a mim, pouco elaborada; os comuns encontros e desencontros e os solilóquios das personagens exprimindo os seus sentimentos, os seus receios, as suas paixões…

Talvez que esta suposta desatenção ao tema principal do livro seja intencional!?

Em termos literários está, no meu ponto de vista, muito mais interessante. Vai contando momentos, reflexões, acontecimentos, memórias, sem aparente ordem cronológica, mas que acabam por se encadear e formar um todo coeso. Tudo isto se passa utilizando uma forma muito inspirada de escrever. Os próprios episódios em aparente desencontro, fazem parte dessa magia poética. Saliento alguns passos em que descreve zonas interiores do país; verdadeiros poemas.

Muito interessantes também as referências ao pós 25 de Abril (altura em que decorre a acção do livro), o ambiente político fervilhante, as posições extremadas, a vinda dos portugueses das recentes ex-colónias, as suas frustrações, as recordações…

Vale a pena ler. Não será, porém, dos imperdíveis.

Sem comentários: