terça-feira, 9 de dezembro de 2008

"Os detectives Selvagens" Roberto Bolaño


Como, normalmente, sou apreciadora da literatura sul-americana em relação à qual tenho tido surpresas deveras gratificantes mesmo com autores que não conhecia, o que é também o caso, quando vi “Os detectives Selvagens” nos escaparates da livraria e depois de ler a resenha que o acompanha, os prémios que ganhou, e as críticas credíveis que constam da contra-capa, comprei-o de imediato e, logo que pude, dei início à sua leitura.

Esta revelou-se uma grande empreitada. Em primeiro lugar porque o livro é bastante grande embora isso não constitua problema, apenas leva mais tempo. Depois porque não foi, para mim, de leitura fácil. Tive, algumas vezes, de voltar atrás para me reposicionar em relação à personagem que intervinha no momento.

Apesar dessa “dificuldade”, apenas minha certamente, considero que li uma excelente obra.

Sob o pretexto de procurarem a sua mentora, exilada voluntariamente talvez para o deserto de Sonora, dois poetas enigmáticos pertencentes ao movimento “real visceralismo” percorrem vários locais da América do sul, da Ásia Menor e até da Europa tendo vivido um mundo de situações. Este movimento (realismo visceral), vanguardista (anos 50) surge numa tentativa de revolucionar o campo literário mexicano opondo-se àqueles que são considerados os pais da literatura hispano-americana: Octávio Paz (prémio Nobel da literatura) e Pablo Neruda.

Assim, escrito sempre em forma de diário com 96 entradas correspondendo a 53 vozes (daí por vezes a dificuldade em perceber quem é quem), por um período de cerca de 20 anos, vamos lendo histórias apaixonantes escritas por personagens incríveis que, de um modo ou de outro, cruzaram as suas vidas com esses dois poetas em demanda.

As histórias, revelavam-se umas deveras excêntricas, outras com o intuito de ridicularizar alguns sectores da sociedade, outras, mais reais e mais simples, mas não menos curiosas, algumas verdadeiramente dramáticas... Enfim, uma chusma de referências literárias ficcionais mas sobretudo poéticas, que nos inebria pela forma como somos apanhados pelo mundo das letras, da escrita, da poesia.

A ler com atenção!

15 comentários:

Anónimo disse...

Ola Sra Donagata :)
É sempre bom ler uma historia interessante , daquelas q nos agarram até ao fim !...
Eu tive a Felicidade de saber uma hisoria ... mas esta contada pela mais Linda voz q algum dia Ouvi em toda a minha vida :) ...
Ouvi a historia do " Crepúsculo " , uma histotia Lindissima !!!

Beijo , Anibal Borges .

Donagata disse...

Será, naturalmente, bem mais bonita do que esta. Ainda por cima com o sabor de uma voz linda!!!!

beijos.

Anónimo disse...

Ola Sra Donagata :)
Desculpe , só agora reparei , o q eu queria mesmo escrever é Historia ...

Ufa , estava dificil :)

Beijo , Anibal Borges .

Pulsante disse...

Não conheço nem o autor nem a obra. Concordo com a "Dona"...a literatura latino-americana está recheada de grandes criadores e de extraordinárias obras. Para fugir aos "habituais" (Marques, Sepulveda, Borges, Llosa, Amado...), sugiro o cubano Pedro Juan Gutierrez (várias obras editadas em Portugal) e como "piece de resistance" a "Trilogia Suja de Havana".

PS Bom blog.

Anónimo disse...

ESSE AniBAL..É um ser EsTRANHO.COIsaS dO alCooHL..ehheeehehehe

Anónimo disse...

Este Anibal é o Tal q puxa as Orelhas a palhaços q nao dao a cara e se escondem atras de um teclado !...
Eu comento aqui pq gosto deste Blog , nao venho aqui provocar nem meter-me com ninguém .
É lamentavel q existam pessoas assim , q nos façam deixar aquilo q gostamos de fazer .
Nao se preocupe , conseguiu , eu nao vou escrever mais ...

As minhas Desculpas Sra Donagata :(
Mas eu vou mesmo retirar-me , nao estou aqui para isto . Nao me sei movimentar assim , eu estou aqui por bem . apenas pq gosto de ler o q escreve , nada mais !

Beijo , Anibal Borges

Donagata disse...

Aníbal, vai-me desculpar mas não estou a entender esta trapalhada. São dois anónimos a comentar? um não tem nada de anónimo, assina o seu nome, o outro não é o Aníbal? Pensei até que estivesse a brincar comigo embora achasse estranha a brincadeira.

Agora vamos esclarecer uma coisa. O Aníbal não vai deixar, se for essa a sua vontade, claro, de comentar no meu blogue apenas porque há umas pessoas que utilizam a internet para aborrecer os outros.

Essas, para mim não contam. Cá por mim, dou-lhes apenas a importância que eles merecem, ignoro-os.
Publico os comentários desde que não utilizem vocabulário de baixo nível nem sejam insultuosos para ninguém.
De resto, dou-lhes o valor que eles têm.

Por isso quero ver um comentário seu aqui amanhã nem que seja apenas para dizer Bom Dia!

Donagata disse...

Pulsante, obrigada pelas dicas que irei de certeza aproveitar.
Obrigada pela visita e pelo amável comentário.

Anónimo disse...

Ola Sra Donagata :)
Bom Dia !
Na realidade nao sou Eu q escrevo por outro Anónimo ...
Nao tenho por hábito tratar-me mal !
Tem Razao , devo mesmo ignorar pessoas q entram no seu Blog apenas para comentar alguma coisa q eu diga , tem Toda a Razao :) !

Beijo , Anibal Borges .

Donagata disse...

Ah. Assim sim. Só devemos dar importância a quem a merece. Já viu o que desperdiçávamos da nossa vida se nos prendêssemos com insignificâncias? Não vale mesmo a pena. A vida é curta e é para ser vivida como queremos e não como outros querem.

Desculpe lá a má filosofia e tenha um muito bom dia.

Anónimo disse...

Ola Sra Donagata :)

Mto Bom Dia para si :)

Gosto muito de ter as suas palavras , ja é um habito para mim vir ao seu cantinho !...
Obrigado

Beijo , Anibal Borges .

susana disse...

coment 1: progresso, poemas, mulheres... um infiltrado lá do meu gabinete foi vê-la. Não lhe falou, mas disse ter gostado muito do 1º poema! lembra-se do homem das camâras subaquáticas?

coment 2: o blog "novo" está giro! ao mudar para um aspecto diferente não se perde informação?

coment 3: eu não gosto de anónimos! E não sou nada meiga, chuto com eles casa fora sem pedir licença! Claro que um nome vale o que vale, quando não se conhece a face do outro lado, mas pelo menos há um nome. Anónimo soa sempre mal, tem água no bico e apela a alheio.

Donagata disse...

Não reparei em ninguém que lá estivesse, no Progresso, que me fizesse lembrar o das câmaras subaquáticas. Mas a verdade é que a gente vestidinha fica completamente diferente.

Em relação ao primeiro poema se foi o primeiro que eu disse era da Ruth e é realmente muito bom. Se não, não sei exactamente quem começou porque houve alguns erros de seguimento do guião.

Em relação aos anónimos bem, há anónimos e anónimos. Ou seja: há quem se esconda por trás do anonimato para ser inconveniente, mal educado e covarde e quem use o anonimato por não ter blogue ou não o queira usar mas se identifica.

Eu, como sou uma pessoa aberta a todas as opiniões publico tudo, exceptuando apenas comentários de baixo nível de linguagem ou ofensivos para com um grupo, uma etnia, uma religião, ou algo semelhante.

Donagata disse...

Ah, é verdade, pode perfeitamente modificar o aspecto do blog sem perder informação. É automaticamente reformatado.

susana disse...

Esteve lá o Pedro, num cantinho afastado. Ele disse-me que não lhe conseguiu falar.

Não posso precisar o poema...

Destesto anónimos destes: "á quem se esconda por trás do anonimato para ser inconveniente, mal educado e covarde", porque os "quem use o anonimato por não ter blogue ou não o queira usar mas se identifica.", se se identificam, não são anónimos.

Abertura a opiniões: idem!

bj