quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Para relaxar...



Para ouvir e se deliciarem, ao mesmo tempo que podem ler este belíssimo poema de António Gedeão. Um dos que direi logo na sessão da Poetria no café Progresso.

Poema da malta das naus

Lancei ao mar um madeiro,
espetei-lhe um pau e um lençol.
Com palpite marinheiro
medi a altura do sol.

Deu-me o vento de feição,
levou-me ao cabo do mundo.
Pelote de vagabundo,
rebotalho de gibão.

Dormi no dorso das vagas,
pasmei na orla das praias,
arreneguei, roguei pragas,
mordi peloiros e zagaias.

Chamusquei o pêlo hirsuto,
tive o corpo em chagas vivas,
estalaram-me as gengivas,
apodreci de escorbuto.

Com a mão direita benzi-me,
com a direita esganei.
Mil vezes no chão, bati-me,
outras mil me levantei.

Meu riso de dentes podres
ecoou nas sete partidas.
Fundei cidades e vidas,
rompi as arcas e os odres.

Tremi no escuro da selva,
alambique de suores.
Estendi na areia e na relva
mulheres de todas as cores.

Moldei as chaves do mundo
a que outros chamaram seu,
mas quem mergulhou no fundo
Do sonho, esse, fui eu.

O meu sabor é diferente.
Provo-me e saibo-me a sal.
Não se nasce impunemente
nas praias de Portugal.

In Teatro do Mundo, 1958

4 comentários:

susana disse...

Li. Não ouvi, mas li, para minha punição.

Vinte e Quatro disse...

http://www.vinteequatrodeagosto.blogspot.com/

Alien Taco disse...

bonito poema ... será que me estenderia sua mão agora que estou medicado e me acolheria de novo no doce abraço dos seus comentários?

O MEU TRAVO É INDIGENTE
COMO-ME E CAI-ME MAL
FAÇAM-SE DEPRIMENTES
COURATOS DE PORTUGAL

Cristina Loureiro dos Santos disse...

Lindo!
Ela toca mesmo bem!