segunda-feira, 6 de julho de 2009

No Breyner 85


Mais uma apresentação do livro “A Minha Nuvem”, desta vez, como todos já sabiam, no belíssimo espaço “Breyner 85”.

E que bem que correu!

Num ambiente de cariz intimista; numa sala magnífica, de tectos de estuque trabalhado, paredes de cor amarelada completadas com trabalho em madeira e, de cujo recheio, minimalista, ressaltavam um belíssimo piano de meia cauda e um banco, em veludo, de costas alçadas, ornado de espelhos, de estilo que me pareceu (e eu não percebo muito disto) de influência “Arte Nova” que se destacava na parede do fundo, decorreu mais um felicíssimo evento promovido pela

A tarde foi recheada de surpresas:

A quantidade de amigos que acorreram.

A qualidade da fadista Ângela Cintra absolutamente surpreendente quer pelo timbre de voz, quer pela sua potência, quer pela excelência da interpretação, tão bem acompanhada, na guitarra portuguesa por Miguel Amaral e na viola fado por André Teixeira. Devo dizer que fez de mim uma fã de fado…

O fado brilhantemente nascido de um poema da Ruth, não menos brilhantemente interpretado pela Ângela. De arrepiar!

A amiga que se levantou da cama depois de uma noite doente, passada, em parte, no hospital, que quis oferecer a sua voz a um poema. E fê-lo tão bem!!!

E, la cerise sur le gâteau, a surpresa (e que surpresa !) que foi para a Ruth ouvir o seu irmão a dizer (e como!) um poema seu. Foi comovente para todos quantos assistiram primeiro, ao ar surpreendido, depois às lagrimitas emocionadas que a nossa poeta deixou, muito elegantemente, correr pelo lindo rosto sem estragar a maquilhagem… E isso é difícil. Digo-vos eu que sei.

O Pedro, como se não lhe bastassem aqueles olhos traiçoeiros que mudam a sua belíssima cor para outra mais bonita ainda, acompanhou-nos ao piano com o talento (e, já agora cá para nós, e a paciência) que todos já conhecemos mas que não posso deixar de ressaltar.

O “Porto de Honra” veio mesmo a calhar para pôr as conversas em dia enquanto a nossa diáfana Nuvem, largava gotas, não de chuva mas de mel, sobre os livros daqueles que lhe pediam uma dedicatória.

Carlos! Mais uma vez estás de parabéns!

3 comentários:

nuvem disse...

Estão todos de parabéns, e eu, toda babada com tanto mimo... :)

Um beijinho do fundinho do coração

Edita-me disse...

Cara Celeste,

Um evento, não se faz sem a preciosa colaboração de todos os elementos.

Por isso,
Se é que é caso para "parabéns",
Não são para mim,
São para TODOS,
e TU incluída!

Sem ti,
Definitivamente,
Os eventos não seriam o mesmo!

Obrigado pela tua tão pronta e contínua disponibilidade.

Beijo,
Carlos Lopes

Donagata disse...

Concordo contigo. A colaboração de todos é, sem dúvida, fundamental. E é isso que têm de bom os eventos que realizas. Estamos em família.
Contudo, alguém tem de arquitectar a coisa e pô-la em pé. É aí que tu, realmente és bom (este bocadinho não me soou muito bem...). Vais aos ínfimos pormenores. Pensas em tudo. És um prodígio de organização.
Por isso tudo reitero aqui os parabéns.