sábado, 4 de julho de 2009

E depois


E depois,

há aqueles dias

em que por uma qualquer razão,

sem razão nenhuma

nos parece que o tempo

que perdemos a tentar viver,

não faz sentido

e nos foge, sentido,

sem que o possamos parar.

Sem comentários: