segunda-feira, 28 de julho de 2008

Sonho?

(Imagem: Widowmaker by Thomas Hoyne)

Já anoitece! Caminho só pela orla do mar.
Imprimo marcas fundas, de pés irados.
E logo uma língua de água as vem apagar
com longos beijos frios e molhados.

Desenho na areia sulcos ao acaso
movendo os pés como se bailasse!
Deslizante, prossigo e até a onda atraso
que avança e recua, como se me afagasse.

E agora, quieta, beijada pela espuma,
que fervilha em torno dos meus dedos,
imagino, ao longe uma velha escuna
que ergue as velas entre ondas e rochedos.

E acreditem que até consigo distinguir.
Iluminados por um raio de luar
tristes fantasmas que teimam em surgir
no velho barco que também teima em vogar.

10 comentários:

susana disse...

Querida D. Gatita: é por isso que eu digo que não sei escrever poemas! Mas gosto muito de ler os seus, que, ultimamente, até têm "metido muita água"!

Beijitos,
S

Donagata disse...

Não se esqueça que é mesmo o meu elemento.
Obrigada.
Celeste

nuvem disse...

Mais um belo poema... Que deixa a imaginação a esvoaçar, como uma gaivota, neste cenário de mar.

Beijinhos

BlueVelvet disse...

Gosto muito dos seus poemas, tanto mais que têm a ver com o mar.
A minha mais antiga e fiel paixão.
Beijinhos

Anónimo disse...

Gostei , estou a Gostar cada vez mais deste canto acolhedor e de Boas palavras !!!
Eu tb consigo distinguir os Fantasmas num raio de Luar !...

Beijo , A.B.

antonio disse...

Em toda a caricia existe uma velha escuna que se faz ao largo...

jrd disse...

A maré(-cheia) do poema.

Carla disse...

Adoro poesia e este poema é simplesmente maravilhoso. E representa tanto das nossas vivências...
Boa semana

Perla disse...

Quando os fantasmas surgem...
o melhor é não se aproximar.

Mar Arável disse...

Seja como for

reme

e se necessário contra as marés

Gostei