domingo, 13 de julho de 2008

"Fantasia para dois coronéis e uma piscina" de Mário de Carvalho


Como já nos habituou, o autor mais uma vez desenvolve uma crítica social jocosa: aos costumes, ao pensar do novo-riquismo (a piscina será um dos símbolos), ao hábito, muito nosso, de falar incessantemente embora escasseie o assunto e, portanto, não se diga nada.

Escrito em bom e rico português (também como habitualmente), embora simples e bem-humorado. A “acutilância” que também caracteriza Mário de Carvalho, junto à sua perícia na escrita, tornam o livro “viciante”.

O real cruza-se com o mais improvável imaginário, constituindo um todo coeso e complementar.

As personagens, sobretudo as cinco principais, vão entrelaçando as suas vidas, deliciosamente reais, concebendo uma trama onde assenta, além da crítica social já abordada, um sentimento de declínio do qual sobressai o ridículo das acções humanas e dos costumes de uma determinada sociedade.

O autor coloca-se por diversas vezes na qualidade de personagem de forma a realçar alguns aspectos, chegando até a “dialogar” com o leitor.

Gostei muito.

Sem comentários: