sábado, 5 de julho de 2008

Espécie de Tertúlia



É amanhã, nas instalações do Solmaia. Se gostas de ouvir ou dizer poesia e música em companhia de gente muito fixe, aparece.

4 comentários:

Anónimo disse...

A lareira crepita lentamente. O p�o ainda est� morno � tua mesa. Mas a �gua j� ferveu tres vezes para o caldo. E em casa a luz fraqueja, n�o tarda que se apague. E tu n�o tardes, que eu fiz um bolo de ervas com canela; e h� compota de ameixas e suspiros e um cobertor de l� na cama e eu

estou assustada. A lua est� apenas por metade, a terra treme. E eu tremo, com medo que n�o voltes.
De: Maria do Ros�rio Pedreira

Espero que gostes, pode ser que um dia os digas numa tert�lia po�tica. Espero que tudo corra bem hoje, ja que eu nao pude ir.
Beijocas alexianas

Nuno Soares Correia disse...

Olá Dona Gata,

Inspirado pelo momento da tarde, escrevi umas linhas à minha Gata. Não tenho pretensões a ser Poeta, pelo que perdoem lá qualquer "coisita". O Poema chama-se "Tenho uma Gata".

"Tenho uma Gata!
Quando chego a casa ela rebola-se para mim,
Oferece-me as suas costas para eu coçar,
Adora que lhe afague o corpo e lhe dê Amor.

Tenho uma Gata!
Às vezes é uma Leoa, forte, dominadora,
Às vezes abandonada, carente, solitária
Dou-lhe o meu colo, o meu corpo, o meu Amor

Tenho uma Gata!
Às vezes é esposa, amante, amiga
Às vezes mulher, companheira, porto de abrigo
Dou-lhe o que tenho... espero que chegue…

Tenho uma Gata…"
Nuno Correia

Donagata disse...

Alexiana, gostei muito do poema. Pena mesmo é que não tenhas podido estar presente.

Nuno, nós dois e os gatos...É o maior elogio que podemos fazer a alguém, considerá-lo como a um gato.
Não te conhecia esta veia. Está muito bem, além de que foi merecidíssimo uma vez que tu e a tua gata protagonizaram um dos momentos mais belos da tarde, se não o mais belo.
Um beijo

Donagata disse...

Estou espantada por ainda ninguém ter comentado o grafismo do poster!!! Foi alvo de várias interpretações, é certo, mas acho que está o máximo!
É da responsabilidade do departamento de "désaine", mais conhecido entre nós por Miguel Ministro.