sábado, 6 de março de 2010

Mais um dia de cinza


(Imagem daqui)

Mais uma manhã medonha!

Pior! Mais uma manhã medonha

que prenuncia mais um dia horrível,

lúgubre, debilitante, assustador até.

A chuva continua a não dar tréguas

e o vento acompanha-a nesse bailado infernal

pincelando tudo com uma patina de cinza.

Luto que se agarra, que me agarra,

e, irremediavelmente preso a mim,

aos meus mais íntimos sentires,

torna-me soturna, triste, aniquilada.

Transforma as minhas memórias mais recônditas

em receptáculos ideais

para tudo quanto é negro

e gostaria de não mais recordar.

3 comentários:

susana disse...

Porque não veio a nós? A patina não pousa sobre a água e o sacolejo do corpo agita o coração, até que se abre o sorriso.
Porque hoje é sábado.

Donagata disse...

Tive uma apresentação de um livro sobre Tomás Gonzaga e fui "requisitada" para ler umas liras da sua "Marília de Dirceu"...
Não dava.

susana disse...

Ainda vou processar esses convidadeiros por atentado à sua saúde!