sábado, 24 de outubro de 2009

Breve distância



E hoje em que as distâncias não contam, as lonjuras se fazem vizinhança, o tempo corre célere e tudo se passa naquele segundo exacto.

Hoje, em que as ausências não contam, em que as saudades se mitigam na hora em que se ouve a voz, aquela voz querida.

Mesmo hoje, gostaria de te olhar nos olhos, de perscrutar o teu sentir, de te ouvir subir as escadas, de cheirar o teu perfume, de te sorrir, de te sentir…

Mesmo hoje, sendo perto, é tão longe…

E sendo breve, é tanto tempo….