terça-feira, 8 de janeiro de 2008

Se apenas me tivessem contado, não teria acreditado...

(Imagem da net)
Normalmente não abordo aqui medidas de carácter político por entender não ser uma área em que me sinto particularmente confortável, até porque me suscita apenas o interesse inerente a uma cidadã que procura estar mais ou menos informada acerca do que se vai passando.
Mas hoje, nem queria acreditar!
Ao chegar à sala, entre os meus afazeres culinários, ouvi algo tão incrível, tão surrealista mesmo, que julguei não ter entendido talvez porque fizesse parte de uma notícia maior da qual não tivesse ouvido o início.

Mas, infelizmente não. A notícia era assim mesmo: O aumento extraordinário dos pensionistas que habitualmente era recebido em Dezembro do ano anterior, não só não o foi este ano como será pago em catorze prestações juntamente com a pensão mensal, o subsídio de férias e o décimo terceiro mês.
Ou seja, para uma pensão de 400€ o pensionista receberá mensalmente a portentosa quantia de ......0,38€! É verdade, 0,38€!
É que esse mesmo pensionista receberia de uma assentada só, pasme-se, 19€ inteiros!!! A pobre criatura ir-se-ia ver completamente perdida com as dificuldades que a gestão de semelhante quantia lhe trariam!
Contudo, na verdade, numa pensão deste montante, os 19€ ainda se notam, agora os 0,36€...

Mais incrível ainda, foi a justificação avançada por um elemento do governo para tal atitude. É que, ao que tudo indica, ser pensionista é sinónimo de debilidade mental certa uma vez que, de acordo com a dita justificação, o pensionista iria receber no mês de Janeiro uma quantia superior à que receberá em Fevereiro já sem esses retroactivos e iria estranhar essa diferença no vencimento. Não seria correcto, portanto, defraudar-lhe assim as expectativas!?... (Que expectativas, pergunto eu?)

Mas será que pelo facto de se ser pensionista perde-se a faculdade de se entender o que é o quê?!!!
Francamente custa-me a acreditar que seja possível que os responsáveis por este país não vejam a mesquinhez, diria mais, a crueldade, desta medida. É que estamos a falar daqueles que são e serão sempre os mais sacrificados, os mais necessitados e, quiçá, os que deveriam ser mais amparados e alvo de alguma solidariedade!
É absolutamente inacreditável de tão absurdo.

1 comentário:

Jonathan Castro (Jota) disse...

também fiquei bastante surpreendido com esta notícia...
enfim, é mais uma das comédias e farsas do trágico governo, protagonista do drama português...
gostei muito do texto...

fica bem