segunda-feira, 23 de março de 2009

“Para a minha irmã” de Jodi Picoult


Confesso que tenho alguns preconceitos! Creio que nada de muito grave, mas que os tenho, tenho.

Um dos maiores de que me dou conta é a dificuldade que tenho em comprar livros daqueles autores que produzem best-sellers todos os dois meses…

Devo dizer que é o caso de autores como Nora Roberts, Nicholas Sparks, e outros de que agora não me recordo. Todos eles com romances de fazerem chorar as pedras, alguns já adaptados ao cinema, mas que, sinceramente, mesmo lendo cuidadosamente as sinopses, não me convencem. Volto a confessar: sou preconceituosa!

Contudo deu-se o caso de uma amiga minha me ter emprestado um livro de Jodi Picoult (mais uma no saco dos estigmatizados) e eu resolvi lê-lo de imediato. Além de preconceituosa sou ainda mais curiosa… (estou, nitidamente, em dia de confissões).

Pois bem. Aqui vai, como habitualmente, a minha modestíssima opinião sobre o que li.

Comecei a ler o livro e, de imediato me apercebi que, em termos de qualidade literária não era nada de espantar. Um livro de leitura leve, sem pretensões. Contudo, devo dizer que fiquei prontamente apanhada pela história. Como já esperava continha todos os ingredientes para nos bulir com o sentimento mais à flor da pele.

Quando dei por ela estava já a transportar os problemas que se iam desenrolando para o plano pessoal. E se fosse eu?

Ora cá está. A receita muito bem aplicada.

Contudo, apesar de se encontrar dentro dos parâmetros que já esperava, este livro foi um pouco além das minhas (baixas) expectativas. Em quê? Podereis perguntar. No tema abordado.

É um tema que embora cumpra perfeitamente os requisitos para este tipo de livro, ir directo à emoção, aborda um problema ético grave, de difícil solução e que, em qualquer momento, pode vir a abalar uma família. Muito difícil de gerir, leva-nos a pensar. Por vezes até a contestar decisões, atitudes, omissões… sei lá!

Gostei do fim que, esse sim, foge aos tradicionais finais felizes que sempre encontramos neste género de livro.

7 comentários:

wallper.lima disse...

Olá Donagata! Realmente as vezes temos surpresas!Esperamos pouco e recebemos mto...por isso ler é uma das melhores coisas, pois por mais que não seja aquilo que esperávamos, sempre conseguimos tirar alguma coisa, algo que realmente vale a pena.
No caso ser curiosa, isso pra mim, é uma qualidade de pessoas inteligentes.
Se um dia você puder, ou te bater curiosidade leia:
" Memórias de uma mulher impossí-
vel"- de Rose Marie Muraro - Essa mulher é demais...não sei se vc conhece. Tenho certeza absoluta que irá gostar.
Bjoca.
Wal

Donagata disse...

Não conheço mas seguramente que vou conhecer.
Já está na minha lista de livros a comprar.

beijos.

Milu disse...

Houve livros deste género de que gostei muito, embora não sendo, digamos de autores consagrados. Os piores que tenho lido, ou melhor, que tentei ler, foram sem dúvida os livros escritos por algumas das nossas figuras públicas.É preciso não esquecer que são as próprias editoras que convidam as ditas para escreverem um livro! É um aproveitamento da sua mediatização! Ler um livro destes é, a meu ver, o mesmo que ingressar numa sacrificada quaresma. Nem todos nasceram para escrever, é preciso ter isso em conta! Pena tenho de todos aqueles que até têm talento e praticamente têm de pagar para ver as suas obras publicadas! Este mundo é mesmo assim!

Donagata disse...

Ora aqui está um comentário que subscrevo inteirinho.

Neste nosso mundo da "socielite" todo mundo sabe escrever...
É fenomenal!

sandra disse...

Olá
Adoro esta escritora.
Já li dela "Para a minha Irmã", "Dezanove minutos", "Tudo por amor" e "Uma questão de fé". Dois são meus e dois foram emprestados. Estou ansiosa para ler outros titulos dela.

kagome_chan disse...

Hum.. Acabei de ler esse livro há pouco tempo e até gostei. O tema abordado era fora do vulgar e fez-me ficar com as lágrimas nos olhos rapidamente. Porém, acho que podia ainda ser mais profundo, n digo exemplos porque n quero dar spoilers.
O fim foi surpreendente, é verdade. E pensamos numa coisa e afinal acontece outra. O meu irmao começou a ler comigo e disse me logo o que ia acontecer, nem ele tinha lido. Adivinhou-o mesmo xD Se calhar n era tao dificil assim.
Mesmo assim, os pais continuaram sem se aperceber do quando fizeram a filha sofrer.

Anónimo disse...

Eu procuro este livro desde que assisti o filme. Ele tem no Brasil? Qual editora, ou melhor, aonde eu acho ele para comprar?
Ah! O titulo deste aqui no Brasil tbm é "Para a minha irmã"?
Obrigado