domingo, 1 de março de 2009

Mais um que era bruxo! Ou então... Não!


EM 1867!!!

"Os donos do capital vão estimular a classe trabalhadora a comprar
bens caros, casas e tecnologia, fazendo-os dever cada vez mais, até
que se torne insuportável. O débito não pago levará os bancos à
falência, que terão que ser nacionalizados pelo Estado"




Karl Marx, in Das Kapital, 1867


Afinal, segundo me foi dado saber por alguém sempre muito mais atento do que eu, esta citação atribuída a Karl Marx, até dava muito jeito agora, vinha mesmo a calhar na conjuntura actual.


A verdade é que, pessoas que se dedicaram a investigar o assunto, concluem que Karl Marx nunca teve tal afirmação.


Agora, surgiu como? Fruto de má tradução? Porque até dá jeito? Porque alguém quis complementar o "mestre"


Para tentarem tirar as dúvidas vão aqui e aqui.


4 comentários:

Anónimo disse...

"Os donos do capital vão estimular a classe trabalhadora a comprar
bens, casas e tecnologia cada vez mais caros, fazendo-os dever cada vez mais, até que se torne insuportável. O crédito malparado levará os bancos à falência, que terão de ser nacionalizados e o Estado terá de enveredar pelo caminho que, eventualmente, levará ao comunismo "

Creio que esta tradução está mais ajustada à citação (não de Karl Marx).

Donagata disse...

Então esta citação existe embora com uma tradução diversa da que eu publiquei, mais correcta. É isso que eu entendo. Contudo, se não é de Karl Marx, sabe de quem é?
Aí é que está o busílis, é na atribuição da autoria.

GrZ disse...

Também estou participando desta polêmica, marx analisa o kptalismo até sua fase industrial, naquele momento realmente os bancos não faziam emprestimos a Pessoas Físicas somente a estados e iniciativa privada ... mas de qualquer forma o lado positivo é o resgate de suas criticas aos sistema financeiro que dado o momento oportuno vieram à tona. Resgataram o barbudo, isso que vale!

Donagata disse...

Considero também positivo que relembremos, ou melhor, não esqueçamos nunca teorias políticas e filosóficas que fazem parte de um património histórico importante. E, se considerarmos que a História é uma constante espiral em que se vão repetindo acções em resposta às anteriores (dialéctica da história), mais importante se torna. Contudo, o que eu não acho correcto são os desvios à verdade...