domingo, 9 de maio de 2010

O meu vizinho piano


Sabem,
aqui ao lado vive um piano.
Não sei se é um piano de cauda
se dos outros, dos verticais.
Se adornado, se simples,
se daqueles colossais
que, sob lustres imponentes
do mais puro dos cristais,
deixam brilhar seus madeiros
para deleite dos demais.

Apenas vos sei dizer
que é um piano feliz.
Não é um piano de adorno,
estático e sem outro uso
que mostrar ao visitante
quão sensível é o amo
para as lides musicais.

Não.
Este é um piano que fala.
Reage como por magia
ao toque suave e leve
de uns dedos que, com mestria,
primem teclas impacientes,
que percutem martelinhos
que fazem vibrar as cordas em alegre sinfonia.

É um som sublime o que solta,
quase sempre ao entardecer
e docemente, a crescer
ocupa os espaços tristes,
acalma fúrias, desnortes,
até que esta casa vazia
não tem mais espaço para encher.

4 comentários:

Moon disse...

:) Nenhum piano devia ser de adorno, pois não? Bjitos!

Donagata disse...

Julgo que não. Mas alguns são-no.

Arménia Baptista disse...

...dá para ouvir daqui!
:))

Donagata disse...

Então, desfrute Arménia.