terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Adeus


É hoje, Zorba!

Soube-o hoje de manhã quando tu, ao contrário do que era habitual, não quiseste (não pudeste?) comer.

Já ontem à noite havias tombado do degrau da escada do sótão. Aquele mesmo em que passavas horas a dormir ou apenas a estar…

E hoje, hoje procuraste esquivar-te quando eu, cuidadosamente, te queria limpar aquele fio de baba que teima em pingar e que eu não sei bem o que é. Se saliva que não consegues engolir, se algo mais que a doença te trouxe.

É hoje Zorba!

Olho bem fundo esses teus belíssimos olhos verdes e vejo cansaço, sinais de desistência, pedidos de ajuda, provavelmente iguais aos que podes ver no meu olhar.

Acho que é mesmo hoje, Zorba que terminará a nossa longa amizade, a nossa cumplicidade, o carinho e a dedicação com que me mimoseaste sempre(e foste correspondido) ao longo destes últimos dezasseis anos das nossas vidas.

Fomos companheiros de brincadeiras, de descansos preguiçosos, de longas viagens, de vitórias em que me deixaste tremendamente orgulhosa , de dor também…

Obrigada!

E hoje, prometo, estarei ao teu lado naquela que será a tua última provação.


Foi hoje, Zorba,

que finalmente reencontraste o descanso há muito perdido e adormeceste confiante e sereno (será que traí a tua confiança?), confortavelmente aninhado no meu colo, como gostavas, ronronando, até não seres mais que um corpo inerte e uma saudade imensa, temperada apenas pelas recordações fabulosas que só tu serias capaz de deixar.

Adeus.

2010/01/11

(Imagem: Raillway's Zorba, o meu gato)

12 comentários:

LS disse...

É bom ler o que escreveste sobre este triste acontecimento. Gostei muito.
LS

Donagata disse...

Obrigada. Foi um bocadinho bem triste para mim.

susana disse...

Agora a água verteu-me de dentro para fora... Mas sinto que a serenidade lhe começa a voltar.
Um beijo doce.

Donagata disse...

também eu verti muita...

Anónimo disse...

É com grande tristeza que sei da notícia. Não podia deixar de fazer aqui uma última homenagem a este gato. O gato que esteve por detrás de várias ninhadas e que sem ele não haveria Black, Simbas, entre outros que enchem e encheram as nossas vidas de momentos únicos.

Um beijo fofinho*

Ana Margarida

Cristina Loureiro dos Santos disse...

Coitadinho do Zorba :( Fiquei triste com o teu texto, prima. Ele era tão meigo e lindo... E tem um olhar que me lembra o Dublin...

Beijinhos.

Perfumes Bighouse disse...

" Será que traÍ a tua confiança?"
Ao longo da vida partilhada com estes seres carinhosos( cães e gatos) já me fiz esta pergunta mais de uma vez.
É muito dolorosa.
Compreendo sua aflição.Beijocas

Chatwinesque disse...

É tão triste vê-los partir... Mas resta a certeza de que teve uma longa e boa vida. Os gatos são uma delícia, tenho agora um, o Napoleão, que é o bichinho mais doce que se pode imaginar. E, como tudo o que ébom, chegou inesperadamente... Que haja sempre algum nas nossas vidas!

Tais Luso de Carvalho disse...

Muito, muito comovente. Senti essa dor por duas vezes: é uma dor na alma, tão profunda e tão difícil de explicar que só o tempo nos trará consolo.

tais luso

BlueVelvet disse...

Agora não deu para segurar as lágrimas.
Um beijinhos

nuvem disse...

Linda esta sua homenagem. As palavras nunca são suficientemente grandes face ao amor que se sente...

Um beijinho

Donagata disse...

Obrigada a todos quantos manifestaram o seu carinho por mim e, naturalmente, pelo Zorba. Mereceu-o. Foi um gato e tanto!