sexta-feira, 20 de junho de 2008

Hoje, sou feliz!

Hoje, dia muito especial, contemplo mais uma vez este belíssimo pôr-do-sol sobre o mar. Estou feliz, rodeada pelos que amo, festejada por todos quantos a quem, de algum modo toco, lembrada por muitos daqueles em quem deixei uma marquinha por pequenina que tenha sido.

Enquanto contemplo a mancha de fogo que vai descendo vagarosamente sobre as águas ao mesmo tempo que lhes empresta um brilho prateado, vou recordando os já muitos sóis que vi desaparecer; ora em dias brilhantes de calor; ora em dias em que o frio me gelava, ou de chuva que me caía em lágrimas pelo rosto.

E são já tantos! Tantos que talvez nem queira recordá-los todos…
Tanto que já vivi! Tanto de bom que a vida me tem oferecido! Tanto, também, que já me tem roubado!

À minha volta, as pessoas um tanto distraídas, empolgadas e tristes (Portugal está a jogar e a perder concluindo assim a sua participação no Europeu), permitem-me este inacreditável momento de introspecção, de reflexão.
Percorro rapidamente o fio da minha vida e reparo que abrando em alguns nós, que ainda não desatei, que provavelmente não conseguirei desatar nunca, mas prossigo. Observo as opções que tomei nas grandes encruzilhadas. Terão sido as melhores? As piores? Oferecer-se-iam outras alternativas que não ponderei?

Vivi muito mais do que espero ainda viver. Provavelmente, nunca teria ousado esperar que a vida me desse tanto: das grandes e das pequenas coisas que a formam. Que me ensinasse a exultar com pequenos fragmentos que, por vezes, fazem tanta diferença. Que me ajudasse a juntá-los todos, cuidadosamente, e construir uma vida, a minha. E, além disso, me ensinasse a usá-la para tocar, também um pouco, alguns dos que me rodeiam.

Olho em volta e admito sem hesitações: Sou uma mulher de sorte! Sou feliz!

2008-06-19
(Imagem: "Three ages of a woman" by Gustav Klimt)

12 comentários:

De Profundis disse...

Muitos parabéns! E apesar dos nós mal desatados, das encruzilhadas vencidas, fica a certeza de que envelhecer é a única maneira de viver muito tempo...
Um beijinho

Clara Branco disse...

Os meus sinceros parabéns! Pelos feitos que atingiu, e pelo que ainda irá de certo conquistar, poder olhar para trás e esboçar um sorriso, é sem dúvida o melhor que pode haver. O importante, é sentirmo-nos seguros e queridos por aqueles que nos rodeiam ao longo desta caminhada. Amar e ser amados.
um beijo

A.Teixeira disse...

Parabéns, Donagata!

LS disse...

Embora tarde, deixo aqui os meus parabéns. Cara Donagata, a idade não tem apenas inconvenientes, também tem as suas vantagens. A arte é aproveitar as vantagens e fazer minimizar os inconvenientes,
LS

Jonathan Castro (Jota) disse...

Antes de tudo...

PARABÉNS!!! Que a tua vida continue cheia de fragmentos daqueles que se colam na memória e que nos fazem para sempre, nem que momentaneamente felizes...

E agora...

Regressei à blogosfera (o blog continua o mesmo :)), pois agora tenho mais tempo para dedicar ao Fragmentos...

Adorei o texto que escreveste...

Fica Bem

Sofia Loureiro dos Santos disse...

Donagata, felizes somos nós por podermos desfrutar da tua companhia, da tua alegria e da tua amizade. Parabéns à minha Gata preferida!

antonio disse...

Pois parabéns e mantem-te assim, feliz.

Donagata disse...

Obrigada a todos quantos me deixaram aqui um miminho. Soube-me bem.

Estimadíssimo LS, nunca há parabéns tardios se as pessoas se lembram umas das outras mesmo fora dos convencionais aniversários.
Um beijo grande.

Sofia, obrigada por me teres tornado a tua mascote de estimação.
Um beijão com saudades vossas.

Donagata disse...

Jota, sejas bem regressado! Já tardavas.
Um beijo.

António, obrigada pelos parabéns. Procurarei manter-me assim, faço por isso todos os dias. E, em boa verdade, também tu (e todos os outros que aqui comentam e aqueles que eu leio, gosto e comento)contribuis para esse meu bem-estar.
Beijos.

Cristina disse...

Ah, Donagata querida, adorei o teu texto! Queira Deus que possa também escrever com essa alegria e essa serenidade um dia... Não me parece que consiga. Parabéns, gatinha fofa, desejo tudo para ti. E tudo é mesmo tudo. Um abraço do tamanho do mundo (mesmo atrasado, ele é sentido).

Beijos.

Cristina Loureiro dos Santos

Donagata disse...

Cristina, como já disse arás, não há atrasos se as pessoas se estimam, como é o caso.
Um beijo muito grande para ti também e vais ver que a serenidade é uma coisa que também se adquire com o tempo. É uma das boas coisas da sua passagem.
Mais uma vez, um grande beijo também para ti.

Ti disse...

Belíssima a escolha do quadro... e já agora Parabéns atrasadíssimos :)