sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Parabéns Susana!!!!!!!


O p'ra isto! O pessoal a sofrer! Mas há pior, que há!


Por razões que não vêm agora ao caso ando a reler alguns dos poetas do século XVIII. De entre eles, destaca-se, na sátira, o Nicolau Tolentino.
Pois decidi (ainda estamos suficientemente próximos do Carnaval para o fazer) disfarçar-me de Tolentina de 3ª categoria e satirizar a Susana à má maneira oitocentista. Perdoe-me Susana mas, a verdade, tenho que o confessar, é que não sei o que faço!!!!

Ah! A Carlota é, naturalmente, a minha musa...


As Susanas *

Carlota, pois cuidas que é mal

A sanha de alguns professores
Só porque lês no jornal

Uma panóplia de horrores

Dignos de um Juvenal???


Mas tu, de minar não cessas,

Qual é a tua intenção?

Impossíveis, não me peças,

Pois que queres que faça então,

Se a Susana é mesmo dessas?!


Dizes que uma aula da Susana

Te faz esconjurar piedade

Seja qual for a alma humana

Que caia em tal iniquidade

Por descuido, ou por insana…


Dizes tu, como animal,

Que o instinto proíbe a dor

E que surda a esse mal

A Susana é um terror

Para com o seu igual.

Carlota, não discorres bem:
É que em vós, os animais,

O instinto intervém!

E nós, humanos, mortais,
Desprovidos desse bem

Somos mauzinhos, viscerais.


As Susanas precisas são!
São boas para nos moer!

Até têm a consideração

De não nos deixarem morrer

No decurso da lição!


É também uma, a verdade:

Ficavam as águas vazias!

E a Susana, ao fluir a idade,
Iria contar os seus dias

Consumida de saudade…


Com um beijo GRANDE e desejos de um dia muito bem passado, aquela que, como sabe, a estima muito e não a considera de todo “the ogress” que aqui descreve:

Donagata

* plural majestático, hã!!!

5 comentários:

mdsol disse...

Mas que homenagem bonita! Muito bem. Parabéns também para si.

:)))

Donagata disse...

Obrigada. Espero que seja também do agrado da visada e que não fique muito zangada comigo... senão, corro risco de vida.

Beijos.

Tia_Cunhada disse...

Fantástico...!!!

Um grande beijinho

susana disse...

Que poema Maravilhoso! É uma gatinha maravilhosa esta que aqui está! Obrigada Dona gatita. Gosto MUITO de si!

Um beijo lento, ternurento, repenicado (bem diferente das aulinhas satirizadas!) ;)

Donagata disse...

Obrigada. Ainda bem que gostou. Já sabe, são daquelas minhas palermices. Felizmente inofensivas.

Mais uma vez parabéns.