quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Não chegava


Só hoje arranjei coragem para aqui deixar este registo. A coragem que vem com a saudade...


Não chegava.

Não, não era ainda suficiente a inquietação dos dois últimos dias.

Os picos de medo, de ansiedade, o desassossego permanente.

Não chegava a agonia que sentia colada à pele ao regressar.

Não.

Afinal não chegava.


Aguardava-me algo que nem sonhara.

Aguardava-me a urgência teu olhar, Carlota.

Estranho olhar esse como se estivesses feliz mas angustiada.

Como se sentisses alívio mas te mantivesses assustada.

Como se esperasses tudo mas sem contar ter nada.

Estranho olhar esse, Carlota!


Estranho olhar esse, Carlota, que me deu logo a perceber

aquilo que, em verdade, me recusei saber.

Despedias-te de mim. Eu sabia.

Pedias-me ajuda. E eu queria.

Querias conforto. E eu não conseguia.

Consegui apenas fixar os teus olhos, Carlota,

afagar-te mimar-te, beijar-te enquanto te via rastejar,

enquanto te ouvia ronronar,

enquanto te levava, a chorar.


Estranho olhar esse, Carlota, que te vi quando te deixei.

Estou certa, Carlota, que me dizias que nunca mais te olharei…


2010-08-12

Sem comentários: