quinta-feira, 2 de junho de 2016

Não sei


Não sei se é porque hoje é Junho
se é por estar sol e calor
e os melros trinarem  
numa estridência cheia de luz
e de cores bonitas
se é porque comi cerejas
e elas são macias e doces
e sabem a Verão
se é porque hoje
como todos deveriam ser
é dia de lembrar as crianças
os seus risos coalhados de cheiros bons
o brilho que transportam no colo
as suas cores
que se agarram às pregas das nossas almas
e as tornam redondas e delicadas

não sei porquê
mas hoje as palavras surgiram-me assim
mansinhas e frescas
a cheirar a Verão e a riso de criança




2016-06-01

2 comentários:

Suzete Brainer disse...

Com esta alma delicada, a poesia
surge de um bordado das horas
com palavras "mansinhas" da leveza
de um "riso de criança"!...

Admirável sempre a sua poética!!

Mar Arável disse...

Os meus milagres são fáceis de explicar