domingo, 13 de maio de 2012

Desabituei-me de estar aqui...



Sentada aqui no meu bar, na minha praia,
pouso o livro que não me apetece ler.
Desabituei-me de estar aqui.

Tinha quase esquecido esta beleza crua.

Pouco a pouco invadem-me os sons, os cheiros, as cores, o brilho…
de uma forma tão intensa,  tão imensa, tão viva!
Quase dolorosa.
Perturba-me o estrepitar do mar que amo.
Desassossega-me…

Escuto-o.

E, de repente, já não me importa a intensa vida de Adriano
que nunca pode ter tido a intensidade deste mar.
Desdenho a beleza das palavras de Yourcenar
que nunca serão tão belas como o voo das gaivotas,
a espuma das ondas, o cinza/verde das rochas húmidas,
os raios dourados bailando nas águas.

Desabituei-me de estar aqui.
Tinha quase esquecido de como sorver este ar salgado,
de como pisar esta areia graúda que pica nos pés,
de como sentir na pele a carícia ardente do sol.

E agora, que regressei,
sinto que esta realidade áspera que me envolve
me traz de volta à doçura dos sonhos
que há tanto tempo não sonhei…

2 comentários:

Mar Arável disse...

Tudo se move

no ciclo das marés

Bem-vinda

Donagata disse...

Obrigada minha boa onda...