sábado, 21 de maio de 2011

E o tempo…

("A desintegração da persistência da memória", óleo sobre tela, Salvador Dali, museu de S. Peterburgo)

E os dias que teimam em passar

numa sucessão imparável de frias madrugadas.

E o tempo que teima em não parar

e me deixa as sobras desses dias

os cheiros, os sabores acres dessas azuis alvoradas.

E os dias e as noites e o tempo

e as alvoradas e o tempo que não se deixa agarrar…

2 comentários:

Mar Arável disse...

O tempo?

Sim o tempo

Que dia é hoje?

Donagata disse...

É um dia sem tempo...